Amizade

Quanto tempo até se perder?

Até que seja apenas uma memória distante?

Que quando se for nunca terá existido

Senão na mente daqueles que a estimaram?

 

Os anos de ouro se encerrarão

A vida seguirá sempre em frente

Sou egoísta

Por desejar

Que tudo fique como está

 

Um após o outro

Se esquecerão

Eu serei também só mais um rosto

Triste por negar o mundo

Negar que não há como

 

Pois estamos fadados a morrer

Cidade

Vago na cidade

Entre o cheiro cinza dos prédios e do céu

E entre o podre da vida urbana

 

Vagam

As pessoas

Em suas direções, seus reinos, seus meios e seus fins

 

Vago

Por entre a garoa do dia

Por entre estradas intermináveis entre prédios

Tal qual labirinto

 

Mas não há minotauro

Como não há gente

Nas ruas só há…

Eu

Tempo

Quando se perde a corrida

E se olha para trás

O tempo perdido na vida

É o que resta como troféu

 

As amizades

Os afetos

Os amores perdidos

Tudo ficou para trás (desmoronou com o tempo)

O que restou foi uma existência vazia

 

Sem rumo como em tantas outras vezes

Não pode mais comprar tempo (perdido)

Eternidade

Quanto tempo me resta?

A obsessão de viver me faz perder tempo

Eternizada enquanto durar

A dor do homem que sente há de perdurar

 

Nos agarramos à vida

E morremos por ela

A certeza do fardo que se finda

Quando o último ser morrer, apagando-se a eterna vela

Sonho De Inverno

Eis que cansado de tudo

E ignorando o mundo ao meu redor

Deitei na grama para ver o céu noturno

Nessa noite, contemplei as estrelas, da menor a maior

 

E vendo a Via Láctea, percebi

Que eu sou parte do universo, como todas as estrelas

E me senti acolhido ali

Como se a Espinha Dorsal do céu fosse a minha própria

Fractal

Formas imperfeitas:

A matemática da realidade.

Fractais de verdade

 

A grandeza se esvai na realidade

Os versos repetem a si mesmos

A bela natureza de verdade

É tão imperfeita quanto pelo que vivemos

E tão perfeita pelo que morremos

 

Ainda assim, em nosso planeta

Não há beleza

Como a falta de perfeição

Ampulheta Quebrada

Um dia

Essas palavras vão se perder

O tempo vai passar

Mas quando será?

 

As engrenagens do tempo vão rolar

Até o fim da humanidade

E mesmo depois de tudo acabar

O tempo reina por toda a eternidade

 

Infinito e ganancioso

Nos rouba de nós mesmos

(E de tudo o que há)

Sua parte nossa e nossa parte dele

 

A única certeza é o tempo

E se ela falhar

O que será dos mortais?